QUEM TRANSFERE O LEITE?

O vídeo abaixo é de um bebê que nasceu com 35 semanas de gestação (veja uma versão mais completa do vídeo), agora com 5 semanas de vida. A mãe está amamentando ao seio e suplementando com mamadeira. O vídeo mostra que a ideia amplamente difundida de que a amamentação “cansa o bebê” é falsa. Os bebês respondem ao fluxo de leite. Neste vídeo, quando o fluxo de leite diminuiu, o bebê adormeceu e o vídeo começa com o bebê dormindo e não sugando. Quando o fluxo é aumentado pela suplementação com um auxiliar de lactação junto ao seio, o bebê acorda, abre os olhos e suga vigorosamente. O vídeo ilustra duas realidades relacionadas:

Quais realidades?

1. Os bebês mais novos respondem ao fluxo de leite e tendem a adormecer quando o fluxo diminui (observe que bebês mais velhos se afastam da mama quando o mesmo acontece) e

2. Os bebês não “puxam” o leite da mama, são as mães que cedem o leite. O bebê, claro, faz a sua parte, que é estimular o seio para que o leite saia da mama para o bebê. É por isso que uma boa pega ajuda o bebê a obter mais leite. Quando o bebê pega mal, a mama não é bem estimulada e o leite não flui bem da mama. Mas o bebê não “suga o leite do peito”.

 

VIDEO 1 Este bebê não estava mamando bem da mama. Para aumentar a quantidade de leite que ele recebe, a mãe aprendeu a colocar o bebê numa pega assimétrica. Uma pega melhor e as compressões manuais do seio resultaram no bebê recebendo quantidades significativas de leite.

O que foi dito acima se torna óbvio, eu acho, quando imaginamos um bebê acordando e começando a chorar. Muitas mães teriam um reflexo de ejeção de leite (reflexo de descida) e a frente da blusa ficaria molhada. Então, quem transfere leite? Obviamente, é a mãe. É preciso ressaltar que o bebê faz a sua parte, avisando a mãe que está com fome, mas é a mãe que transfere o leite.

Quais são algumas das implicações disso?

1. A amamentação não é cansativa para o bebê. Os bebês respondem ao fluxo de leite. Se o fluxo de leite for lento, o bebê tende a adormecer, como no vídeo. O bebê mais velho pode se afastar da mama ou brigar com ela. Se aumentarmos o fluxo de leite, o bebê “cansado” de repente fica bem acordado e suga vigorosamente.

2. Os bebês (a termo, com problemas cardíacos, prematuros) não gastam mais energia com a amamentação ao seio do que fariam com a mamadeira. Este parece ser um pensamento quase universal nas unidades de cardiologia e unidades de terapia intensiva em hospitais pediátricos em todo o mundo. Como resultado de tal pensamento, as mães são informadas de que não podem amamentar seus bebês porque o bebê vai cansar e precisamos conservar sua energia. Eles dizem que isso é verdade até mesmo para bebês saudáveis a termo.

3. Não é mais fácil amamentar o bebê por uma garrafa ao invés da mama. Frequentemente, pediatras, neonatologistas e cardiologistas pediátricos dizem às mães para não amamentar porque dá muito trabalho e é melhor dar mamadeira.

4. Os bebês não precisam de músculos “fortes” em suas bochechas para mamar. Essa é uma das razões que são ditas para justificar um bebê “nascido quase a termo” ter dificuldades para amamentar. Não é verdade que “quase a termo” necessariamente tenham dificuldades para mamar. Bebês muito mais imaturos do que 36 ou 35 semanas de gestação podem pegar e mamar muito bem. O que muda para “pior” quando o bebê nasce com 36 ou 37 semanas, por exemplo?

5. Os bebês não são “preguiçosos”. Eles respondem ao fluxo de leite. Bebês normais não têm “sucções fracas”, a menos que sejam afetados por medicamentos ou alguma outra causa de depressão do sistema nervoso. Se o fluxo de leite da mama for constante e rápido, o bebê vai sugar bem e não adormecer se tiver boa pega.

6. Ensinamos uma técnica que chamamos de “compressão manual de mamas” para aumentar a transferência de leite da mãe para o bebê. Funciona muito bem na maioria das vezes. A técnica ajuda a mãe a transferir mais leite para o bebê. Se as mães usam a compressão para aumentar o fluxo de leite para o bebê, elas entendem que, é claro, as mães transferem o leite, não os bebês que o sugam.

7. “Quanto mais o bebê suga, mais leite a mãe vai produzir”. Isto não é verdade. A mãe não faz mais leite simplesmente porque o bebê está sugando por muito tempo. Um bebê “mordiscando” a mama não está recebendo leite e não está estimulando mais a produção de leite.

Pensamos que bebês e bombas de extração de leite funcionam da mesma forma e, portanto, o bebê deve continuamente sugar o leite da mama, assim como uma bomba faria. Só não lembramos que é a mãe que transfere o leite, não o bebê. Mesmo as bombas não obtêm leite indefinidamente.

E o resultado dessa ideia equivocada? As mães mantêm os bebês no peito por longos períodos, pensando que isso aumentará seu suprimento de leite. Mas um bebê “mordiscando” não aumenta a oferta de leite porque os bebês não transferem leite.

E quando as mães precisam suplementar, usando um auxiliar de lactação junto ao seio, elas não introduzem o auxiliar de lactação cedo o suficiente. Muitas vão esperar tempo demais, quando o bebê já parou de mamar e está no seio somente mordiscando, sem receber leite. Dessa forma, o bebê fica no peito por longos períodos de tempo, e o auxiliar da lactação é culpado não apenas pela longa duração das mamadas mas também de resultar na produção de menos leite pela mãe. É uma ideia muito esquisita. Na verdade, usar o auxiliar de lactação no peito aumenta o suprimento de leite.


VIDEO 2 Este bebê quase não está conseguindo leite da mama. Ele está apenas mordiscando. Ele poderia ficar mordiscando no peito por horas e ainda assim o suprimento de leite da mãe não aumentará.

8. E por que a compressão manual da mama ajudaria? As mães transferem leite, não os bebês. O bebê não está fazendo sua parte tão bem quanto poderia e então a compressão do seio compensa este fato. O motivo? O bebê não está com boa pega. E por que isso acontece?

a. Pela maneira como o bebê está posicionado. Veja também o quiz da pega.

b. Uso de bicos artificiais, como mamadeiras e protetores de silicone e chupetas e

c. O bebê tem língua presa. Recentemente, vimos um bebê de 3 dias de idade com uma língua bem presa. Antes de soltar a língua presa, o bebê quase não recebia leite do peito. Após sua liberação, o aumento na quantidade de leite que o bebê recebia da mama foi dramático. É óbvio que o suprimento de leite e o fluxo de leite para o bebê não aumentaram dramaticamente entre a primeira mamada antes da liberação da lingueta e a segunda mamada após sua liberação. O que mudou foi a forma como o bebê pegou e a resposta da mãe à “nova” pega. Por esse motivo, as amarras da língua devem ser liberadas o mais precoce possível, antes que o suprimento de leite materno diminua. Como eu gostaria que tivéssemos filmado esse bebê.

d. Uma diminuição na produção de leite materno em si também pode resultar em má pega. Como? Quando o suprimento de leite e o fluxo de leite para o bebê diminuem, o bebê tende a escorregar no seio para o mamilo. Se o bebê pegar apenas no mamilo, o fluxo de leite para o bebê diminuirá ainda mais, além da mãe começar a ter mamilos doloridos tardiamente.

Need help with breastfeeding? Make an appointment at our clinic.
Precisa de ajuda com a amamentação? Marque uma consulta na nossa clínica.

Copyright for the Portuguese version: Jack Newman MD, FRCPC 2020

Copyright for the original English version: Jack Newman, MD, FRCPC, Andrea Polokova, 2017, 2018, 2019, 2020

Translation: Dra Maria Luisa Silva Quintino (Brazil)

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.