AJUDANDO A AMAMENTAÇÃO EM CIRCUNSTÂNCIAS INCOMUNS

Existem duas abordagens possíveis quando os profissionais de saúde se deparam com uma mãe e um bebê que praticam amamentação ao seio e estão em circunstâncias incomuns. O mantra típico e mais comum é: “amamentar é o caminho para o melhor atendimento”, porém a resposta é: “dê leite em pó”. Por outro lado, se pensarmos bem, é possível fazer uma pausa e falar: “Amamentar é importante, vamos encontrar uma forma de fazer isso funcionar para que essa mãe e esse bebê possam continuar amamentando ao seio”. Ou pelo menos continuar recebendo leite materno ao invés de receber fórmula.

 

Um exemplo é a mãe diabética grávida cujo bebê ao nascer tem maior chance de hipoglicemia e, portanto, pode ser separado da mãe ao nascer, levado para a UTI Neonatal e receber fórmula como parte do “tratamento” da hipoglicemia.

Durante anos, pensei que poderia haver uma abordagem diferente, uma em que a saúde do bebê não fosse comprometida e, ao mesmo tempo, a amamentação ao seio e não usar fórmula também seriam uma prioridade. Venho defendendo a expressão pré-natal do colostro desde a década de 1990 e apresentei essa abordagem em uma conferência em Hamilton, Nova Zelândia, em 2004. Desde então, o hospital de Waikato tem encorajado as mães na clínica pré-natal de alto risco a extrair seu leite antes do nascimento para que o colostro possa ser oferecido ao bebê em vez da fórmula. Ao mesmo tempo, os bebês são mantidos pele a pele com a mãe, o que ajuda a manter a glicose no sangue, e o bebê tem a possibilidade de mamar assim que nasce.

Agora, finalmente, muitos anos depois, alguns pequenos estudos e muita experiência depois, um estudo chamado “Aconselhamento de mulheres com diabetes na gravidez para expressar seu leite no final da gravidez (Diabetes e extração de leite pré-natal [DAME]): um ensaio clínico randomizado multicêntrico e não cego” foi publicado no Lancet, uma das revistas médicas de maior prestígio do mundo. Isso mostra que a expressão pré-natal do colostro é segura, sem efeitos colaterais para a mãe ou para o bebê.

Expressed breastmilk before birth can be used to prevent and treat hypoglycemia.Foto 1:Expressão pré-natal do colostro. Demorou apenas 5 minutos para ordenhar essa quantidade.

Na nossa clínica, recomendamos que as mães comecem a tirar o leite por volta da 35ª semana de gestação. A mãe aprende a expressão manual que, quando as quantidades de leite ainda são pequenas, como esperado durante a gravidez, funciona melhor do que a extração com uma bomba. A mãe pode retirar o leite sempre que quiser, pelo menos uma vez ao dia e armazenar o leite em um recipiente conforme mostrado na foto ou tubo de ensaio ou conforme mostra o artigo. O leite é congelado e levado para o hospital assim numa bolsa térmica. Se houver preocupação que o bebê faça hipoglicemia após a amamentação imediatamente após o nascimento, ou se o bebê não amamentar, o colostro previamente extraído pode ser descongelado e administrado preferencialmente por um auxiliar de lactação junto ao seio, mas também pode ser no copo ou na colher.

If you need help with breastfeeding, make an appointment at our clinic
Se precisar de ajuda com a amamentação, marque uma consulta em nossa clínica

 

Copyright for the Portuguese version: Jack Newman MD, FRCPC 2020

Copyright for the original English version: Jack Newman, MD, FRCPC, Andrea Polokova, 2017, 2018, 2019, 2020

Translation: Dra Maria Luisa Silva Quintino (Brazil)

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.