QUANDO O BEBÊ AINDA NÃO PEGA A MAMA


Quando o bebê ainda não pega a mama, costuma ser muito angustiante para a mãe, seu parceiro, para a equipe do hospital e para o resto da família. O bebê que não pega a mama representa o terceiro problema mais comum que vemos em nossa clínica, não muito atrás do bebê que não pega a mama o suficiente e da mãe que tem dor mamilar.

Por que um bebê seria incapaz de pegar no peito?

Não pegar a mama é totalmente contrário a garantia da sobrevivência do bebê e um bebê que não pega o peito devia ser muito raro antes da medicina moderna. No sul da África, onde trabalhei como pediatra por 18 meses, não me lembro de um único bebê que não tenha pegado. Mas minha memória não é tão boa quanto costumava ser.

Muitos bebês não pegam a mama devido à forma como as mulheres dão à luz agora no século 21.

1. A hiperidratação da mãe com fluidos intravenosos durante o trabalho de parto, parto e pós parto resulta em inchaço das aréolas e mamilos da mãe e pode tornar muito difícil para o bebê pegar a mama. Muitas vezes, quando o bebê não pega imediatamente, em vez da equipe do hospital permitir que a mãe e o bebê tenham algum tempo para se acostumarem e conseguirem, o bebê começa a tomar mamadeiras e/ou a mãe ganha um bico de silicone. A ideia de que um bico de silicone de verdade muda algo para melhor é uma ilusão. Na verdade, um bebê no bico de silicone não tem boa pega e o suprimento de leite diminui mais cedo ou mais tarde.

2. Aspiração do bebê após o nascimento. A primeira experiência do bebê após o nascimento – se negativa – pode resultar na recusa do bebê de mamar. A estimulação oral no recém-nascido é uma experiência muito poderosa. A aspiração de vias aéreas é um procedimento muito forte, brutal e negativo para o bebê que pode desenvolver aversão a qualquer coisa sendo colocado em sua boca. O pior de tudo é que a sucção raramente é necessária. Antigamente (não tão antigamente assim), todos os bebês eram aspirados ao nascimento.

3. Medicamentos administrados durante o trabalho de parto e parto, por exemplo, medicamentos para dor. Apesar do que muitos anestesistas dizem, não é verdade que a medicação administrada por meio de uma epidural não afeta o bebê. Veja estes estudos: Birth 2015; 42 (4): 319-328 , Eur J Clin Pharmacol 2005; 61 (7): 517-522 , Birth 2001; 28 (1): 5–12 , Midwifery 2009; 25 (2) : e31 – e38 , Anesthesiology 2005; 103 (6): 1211–1217 , Matern Child Health J 2013; 17 (4): 689–698 , Int Breastfeed J 2006; 1: 24


4. Se o bebê for separado da mãe após o nascimento, em vez de ficar pele a pele por pelo menos 2 horas pós parto, é muito menos provável que ele pegue, especialmente se receber bicos artificiais. Um bebê deve ter permissão para engatinhar até a mama do abdômen da mãe, mas raramente é deixado na maioria dos hospitais do mundo porque leva tempo: no mínimo 50 minutos na maioria dos casos, às vezes menos. A longo prazo esse tempo é bem gasto. Aqui está uma anedota: o marido de uma amiga minha desmaiou durante o nascimento de seu primeiro filho. A equipe deu a ela o bebê para segurar enquanto cuidavam do pai que havia batido com a cabeça e desmaiado. Minha amiga, olhando ansiosa para o marido, não percebeu que o bebê, sozinho, havia pego a mama e estava mamando.

5. Um bebê que é enrolado no charutinho após o nascimento tem menos probabilidade de pegar. As camadas de roupa podem impedir que o bebê seja capaz de pegar no peito ou de encontrar uma maneira fácil de fazê-lo. Camadas de roupa também podem deixar o bebê sonolento em vez de ficar alerta e procurar o seio. Por este lado, um bebê embrulhado é um bebê separado de sua mãe.

6. Estudos mostram que o bebê encontra a mama pelo cheiro. Lavar os mamilos e as aréolas pode tornar mais difícil para o bebê encontrar a mama e pegá-la.

7. Bebês que tiveram problemas como falta de oxigênio durante o parto e tiveram que ser reanimados podem ter dificuldade para pegar a mama. Isso pode ser devido a danos ao sistema nervoso (temporários ou duradouros) ou às manipulações envolvidas durante as manobras de ressuscitação.

8. Forçar o bebê no seio e tentar forçá-lo a ficar lá não funciona. O bebê ficará mole ou brigará com o seio, afastando-se. Alguns bebês podem ficar moles uma vez e choram e se afastam do peito em outra. Frequentemente, a “ajudante” fica tentando forçar o bebê a mamar, o que só piora as coisas.

Outros motivos pelos quais um bebê pode não pegar:

1. A língua presa, por si só, a menos que seja muito grave, não impede o bebê de pegar, mas junte a língua presa com os seios inchados da mãe após medicações intravenosas e introdução precoce de mamadeiras porque o bebê não está pegando bem e temos um problema. Problemas de amamentação, incluindo o bebê que não pega, normalmente ocorrem por vários problemas juntos. A língua presa é apenas uma das causas que fazem com que o bebê não pegue adequadamente.

2. Bebês com fenda palatina têm dificuldade de pegar. Alguns bebês conseguem. Infelizmente, alguns programas de fenda palatina presumem que o bebê não consegue pegar nunca e dizem à mãe para nem mesmo tentar. Obviamente, se o bebê nem mesmo for experimentado ao seio, ele não pega. Em outros, os bebês recebem imediatamente uma prótese para fechar a lacuna e os bebês com essas próteses aparentemente conseguem uma boa pega, e muitos deles o fazem.

A tongue tie may interfere with latching on.

Foto 1. A língua presa deste bebê é bastante óbvia, embora a mãe tenha ouvido no hospital que ele não tinha. A língua presa pode dificultar a pega do bebê. Também costuma causar dor mamilar na mãe na amamentação.

A baby with a cleft of the soft palate



Foto 2: Essa é uma típica fenda de palato mole. Não foi detectado no hospital porque muitas vezes o exame físico do recém-nascido é superficial. No caso de fenda do palato mole, comumente o bebê permite que o seio entre na boca (mas não pega de verdade) e faz um estalo típico ao sugar

Vídeo 1: Este bebê pegou apesar de ter uma fenda no palato mole. Ele está sendo suplementado
com auxiliar de lactação no peito e está mamando muito bem.

3. Algumas mães têm mamilos muito grandes ou mamilos para dentro (chamados de mamilos invertidos). Os mamilos inchados por si só não devem impossibilitar a amamentação.

 

Vídeo 2: Apesar do mamilo, igual dos dois lados, com ajuda para o bebê pegar, deu certo e o bebê mama muito bem. Este é o quarto bebê desta mãe e nenhum dos bebês anteriores conseguiu mamar. Este bebê tem 5 horas de vida.

Mamilos muito grandes costumam causar mais problemas que mamilos invertidos. Dedicar um tempo para o bebê aprender a mamar nos mamilos muito grandes valerá a pena. Alimente o bebê com copo ou com colher. O auxiliar de lactação junto ao seio geralmente funciona mesmo se os mamilos forem muito grandes. O bebê se acostuma a receber leite da mama e, eventualmente, o bebê vai pegar. Paciência é uma virtude nessas situações. Entrar correndo com mamadeiras ou um bico de silicone não é uma virtude.

4. Bebês com anormalidades neurológicas ou alguma outra anormalidade (facial/oral) podem ter dificuldade de pega.

Se o bebê não está pegando, o que fazemos?

1. Tenha paciência e não interfira logo após o nascimento, apressando com “soluções” como mamadeiras e bico de silicone.

2. O contato pele a pele, tanto quanto possível, faz com que o bebê possa encontrar a mama e pegar, às vezes sem qualquer ajuda. Uma enfermeira ou outro profissional de saúde qualificado deve estar com a mãe e o bebê, pois a mãe pode apresentar alguns efeitos residuais da medicação que recebeu.

3. Se o bebê não pega em algumas horas, a mãe deve buscar ajuda para tirar o leite e alimentar o bebê com uma colher ou copo. A extração manual geralmente funciona melhor do que uma bomba antes que o leite aumente no dia 3 ou 4. E, muitas vezes, é também melhor mesmo se o leite tiver aumentado.

 

Foto 3: Este recém-nascido está sendo alimentado com copo com colostro extraído de sua mãe. Por que uma garrafa é melhor? Não é.
Cup feeding to avoid a nipple shield

 

 

 

 

Vídeo 3: Este bebê de 4 meses está sendo alimentado com copo para evitar o uso de mamadeira. A alimentação com copo é possível mesmo se o bebê tiver um dia de vida ou em bebês prematuros.

4. A mãe deve obter ajuda qualificada e qualificada para fazer o bebê pegar bem .

5. Uso de compressão da mama aumenta o fluxo de leite da mama, que irá encorajar o bebê a pegar e mamar.

6. A equipe do hospital deve criar uma atmosfera relaxada em torno dos bebês que não peguem e não entrem em pânico. Se a equipe entrar em pânico, a mãe também entrará. Muitos bebês pegam quando o suprimento de leite aumenta no dia 3 ou 4.

7. Após o 3º ou 4º dia, quando o suprimento de leite materno aumenta, se mesmo assim o bebê ainda não pega o peito, a alimentação sonda-dedo (finger feeding) é uma técnica que frequentemente funciona para preparar o bebê para mamar. O vídeo abaixo mostra como a alimentação com os dedos funciona para a pega. Observe que a alimentação com os dedos precisa ser feita por pouco tempo antes de tentar o bebê na mama. A alimentação com os dedos acorda um bebê sonolento e acalma um bebê agitado.

8. Usar o auxiliar de lactação junto ao peito após a alimentação sonda-dedo pode ser uma boa maneira de ajudar o bebê a permanecer no peito. Veja o vídeo 4.

 

Vídeo 4: alimentação com os dedos é uma técnica útil para ajudar um bebê que está relutante em pegar. Ela acalma um bebê irritado e acorda um bebê sonolento. Assim que o bebê estiver sugando bem, leve o bebê para o peito. Não tente forçar o bebê para pegar o peito. Conforme visto no vídeo, demorou algumas tentativas para o bebê conseguir pegar. Deixe o bebê sair do peito, se ele não pegou – isso funciona melhor do que tentar forçá-lo a ficar no peito quando ele resiste em ficar, e não funciona de jeito nenhum, além de piorar as coisas. Este bebê nasceu várias semanas prematuro e está com 2 meses de idade no vídeo e nunca em sua vida tinha pegado a mama.

9. Alguns bebês ficam mais dispostos a tentar pegar o seio se forem alimentados primeiro com um pouco de leite pela alimentação dos dedos ou copo.

10. Tentar que o bebê pegue logo depois que ele acorda ou quando ele está adormecendo pode funcionar muito bem.

11. Bebês que choram e gritam são difíceis de pegar. Mostrar à mãe como acalmar o bebê pode ajudá-lo a pegar o peito.

12. Certificar-se de que a mãe bombeia seu leite e cria um bom suprimento de leite é fator determinante para a pega do bebê. Mais leite significa fluxo mais rápido, fluxo mais rápido significa que o bebê tem mais probabilidade de pegar

Paciência, sim, é uma virtude. Mesmo no início do século 19, antes de epidurais, antes de infusões intravenosas, os bebês nem sempre pegavam a mama imediatamente. O que isso nos diz? Mais paciência e muitas vezes o bebê vai conseguir. Leia esta pequena parte do longo poema de Goethe, Fausto, e conseguirá bons conselhos e, pelos abundantes seios da sabedoria, você também saberá como fazer a coisa certa por um bebê que não pega o peito.

A criança, oferecida no seio da mãe,
não o pegará no início;
Mas logo se apega a ele com entusiasmo.
E assim, nos seios abundantes da sabedoria,
Você beberá a cada dia com maior entusiasmo.

So nimmt ein Kind der Mutter Brust
Nicht gleich im Anfang willig an,
Doch bald ernährt es sich mit Lust.
So wird’s Euch an der Weisheit Brüsten
Mit jedem Tage mehr gelüsten.

— Goethe. Fausto. Mefistófeles falando com o estudante

E a Domperidona?

Mesmo que a mãe seja capaz de extrair todo o leite de que o bebê precisa, frequentemente usamos a Domperidona para aumentar o suprimento de leite materno. Por quê? Porque mais leite significa um fluxo mais rápido de leite da mama e um fluxo mais rápido significa que o bebê tem mais probabilidade de pegar. Volte para o vídeo do bebê com boa pega após a alimentação sonda-dedo. Você notará que o bebê pega com um auxiliar de lactação no peito. Assim ele obtém mais fluxo de leite e, portanto, pega e permanece no peito, embora precise de algumas tentativas.

Need breastfeeding help? Make an appointment at our clinic.
Precisa de ajuda para amamentar? Marque uma consulta na nossa clínica.

Copyright for the English version: Jack Newman, MD, FRCPC, Andrea Polokova, 2017, 2018, 2020

Copyright for the Portuguese version: Jack Newman, MD, FRCPC, 2020

Portuguese translation by Dra Maria Luisa Silva Quintino (Brazil)

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.